Dispensação de medicamentos: como fazer da melhor forma?

Dispensação de medicamentos em farmácias

A dispensação de medicamentos é o atendimento farmacêutico mais realizado em farmácias e drogarias. No entanto, não significa olhar a receita e entregar o medicamento solicitado. 

Acompanhe o artigo a seguir e saiba o que é a dispensação de medicamentos e quais são os passos necessários para garantir a qualidade deste ato. 

O que é a dispensação de medicamentos?

Em artigo publicado pela Scientific Electronic Library Online, a pesquisadora Daniela Angonesi descreve a dispensação de medicamentos como “o ato farmacêutico de distribuir um ou mais medicamentos a um paciente, geralmente como resposta à apresentação de uma prescrição elaborada por um profissional autorizado”.

Ou seja, o termo se refere ao trabalho mais básico realizado na farmácia: o paciente apresenta a receita ao farmacêutico, que, em troca, lhe fornece o medicamento solicitado.

A dispensação deve ser entendida como integrante do processo de atenção ao paciente, ou seja, como uma atividade realizada por um profissional da saúde, com foco na prevenção e promoção da saúde, tendo o medicamento como instrumento de ação.

Neste ato, o farmacêutico deve informar e orientar o paciente sobre o uso adequado do medicamento. Além disso, é nesse momento que o profissional conversa com o usuário e pode desenvolver outras ações relacionadas à saúde do paciente. 

Passo a passo da dispensação de medicamentos

Ainda que seja um procedimento simples, a dispensação deve respeitar algumas etapas, a fim de garantir que tudo corra da melhor maneira possível. Abaixo, vamos descrever cada uma dessas etapas.

1º passo: acolhimento

O acolhimento é essencial para um bom atendimento. Segundo o Ministério da Saúde, acolher significa “um modo de operar os processos de trabalho em saúde, de forma a atender a todos que procuram os serviços de saúde, ouvindo seus pedidos e assumindo no serviço uma postura capaz de acolher, escutar e dar respostas mais adequadas aos usuários”.

Portanto, para acolher é necessário prestar um atendimento com resolutividade e responsabilização. O farmacêutico deve demonstrar respeito e interesse por todos os pacientes que chegam ao balcão de atendimento. Adote um tom de voz adequado e encaminhe o paciente para um local mais tranquilo se necessário.  

2º passo: avaliação da prescrição

A prescrição de um medicamento é um documento com valor legal, que deve ser tratado com responsabilidade e profissionalismo por todos os envolvidos (médicos, pacientes e farmacêuticos).

Ao receber a prescrição, o farmacêutico deve analisá-la levando em conta sua legitimidade com base em aspectos terapêuticos (farmacêuticos e farmacológicos), na adequação dela à situação do paciente e às possíveis contraindicações e interações medicamentosas – evento clínico que pode ocorrer quando a ação de um medicamento é alterada pela utilização de outro fármaco. Só depois desta análise a dispensação de medicamentos poderá ser realizada.

Como avaliar a prescrição 

Antes de mais nada, deve-se avaliar para quem a prescrição está direcionada. Pergunte para o paciente se a medicação é para ele. Essa informação é importante para obter informações que possibilitem avaliar a aplicabilidade da medicação e a posologia. 

Sempre que possível, procure chamar o paciente pelo nome para que a relação terapêutica entre paciente e farmacêutico seja estabelecida com mais facilidade.

Durante o atendimento, o farmacêutico pode coletar informações importantes do paciente e, assim, prevenir problemas como a baixa adesão ao tratamento. De acordo com o Ministério da Saúde, aproximadamente 70% dos pacientes com pressão alta, diabetes ou dislipidemias (excesso de lipídios no sangue) não conseguem controlar suas doenças, mesmo tendo a prescrição e diagnóstico médico. Na maioria dos casos, esses pacientes utilizam vários medicamentos.

Avalie a legalidade e a legibilidade da prescrição. No que tange a legalidade, devem ser avaliadas todas as informações sugeridas pelas Boas Práticas de Prescrição (OMS, 1998), bem como pelos dispositivos legais brasileiros.

A data da receita também deve ser observada, uma vez que indica a continuidade de um tratamento ou a reutilização de uma prescrição. A reutilização de uma prescrição pode não fazer sentido quando o paciente resolve, por exemplo, comprar um antibiótico 3 meses após o diagnóstico de uma infecção.

Caso seja identificado algum problema na prescrição que impeça a dispensação de medicamentos, o paciente deverá ser encaminhado ao médico, portando uma orientação por escrito do farmacêutico.

E quando o comprador não for o paciente ou o cuidador? O que fazer? 

Se o paciente estiver impossibilitado de adquirir os medicamentos por conta própria, pode acontecer dele pedir auxílio a um parente, amigo ou vizinho. Se o nome que consta na prescrição não for o mesmo do comprador, cabe ao farmacêutico realizar uma breve investigação para descobrir a relação entre o comprador e o paciente.

Isso é importante para que, durante o atendimento, o farmacêutico recolha todas as informações possíveis sobre o paciente para determinar a aplicabilidade dos medicamentos prescritos, com base em dados como idade, peso, condição de saúde, remédios de que o paciente faz uso, etc.

3º passo: avaliação do tratamento

Se o paciente acabou de receber o diagnóstico médico, ele precisa de informações mais detalhadas acerca do tratamento. Nesta situação, o acolhimento que precede a dispensação de medicamentos é ainda mais importante, pois o paciente pode estar em um momento vulnerável, tendo de lidar com as fases iniciais do processo de adaptação à doença.

Caso a prescrição seja do paciente e ele esteja iniciando um tratamento, não deixe de fazer as seguintes perguntas:

  • O(a) senhor(a) sabe porque vai tomar esse medicamento?
  • O médico lhe explicou como esse medicamento deve ser tomado?
  • O médico explicou o que deve ser feito caso uma dose seja esquecida?

Caso o paciente já faça uso do medicamento, outras perguntas pertinentes podem ser feitas:

  • Como o(a) senhor(a) toma esse medicamento?
  • O senhor(a) faz uso de outros medicamentos além desse?
  • Como está sendo o tratamento?
  • Seu colesterol está controlado?
  • Sentiu algum efeito adverso?

4º passo: final do atendimento

Após tirar todas as dúvidas do paciente e dispensar o medicamento prescrito, o farmacêutico pode aproveitar para oferecer outros serviços de saúde que julgar pertinentes. Veja alguns exemplos de serviços e práticas farmacêuticas que podem ser recomendadas.

Acompanhamento farmacoterapêutico

Por seu conhecimento técnico, o farmacêutico é visto como uma figura de autoridade no que diz respeito à saúde e à dispensação de medicamentos. Justamente por isso, ele está capacitado a oferecer o serviço de acompanhamento farmacoterapêutico ao paciente.

Nesta modalidade de serviço, o farmacêutico identifica eventuais problemas relacionados aos medicamentos prescritos, fazendo as intervenções e ajustes necessários. Pode acontecer, por exemplo, da dosagem ou posologia ultrapassarem os limites farmacológicos, ou de um medicamento ter reações adversas com outro.

O acompanhamento farmacoterapêutico é um serviço de gerenciamento essencial não só para garantir a qualidade de vida dos pacientes, mas para promover educação em saúde.

Revisão da farmacoterapia

A revisão da farmacoterapia é um serviço no qual o farmacêutico realiza a análise de todos os medicamentos utilizados pelo paciente, com o intuito de resolver problemas relacionados à prescrição, à utilização, aos resultados terapêuticos, entre outros. 

Como o uso de diferentes medicamentos pode acarretar nas já mencionadas interações medicamentosas, é importante que a revisão leve em conta todos os remédios que o paciente toma, não somente os prescritos pelo médico, mas também os utilizados para automedicação e até mesmo os fitoterápicos.

Este serviço é fundamental para acertar a dosagem de cada medicamento a fim de prevenir efeitos colaterais que comprometam a saúde do paciente.

Exames Laboratoriais Remotos

Um exame laboratorial remoto é um exame realizado por meio de um equipamento laboratorial eletrônico instalado fora da área de um laboratório clínico. Também conhecido como point of care testing (PoCT), este serviço visa facilitar a vida de pacientes e profissionais da saúde, que podem realizar diversos tipos de exame diferentes com rapidez e segurança.

Alguns dos exames mais realizados em farmácias são o beta hCG (exame de gravidez de sangue), glicemia, hemoglobina glicada e perfil lipídico

Beta hCG

É um exame de gravidez muito mais eficaz que o de urina, pois possui menos interferentes e maior sensibilidade. O procedimento visa detectar a concentração do hormônio beta hCG (responsável por interromper a menstruação e manter a gravidez) no sangue. O ideal é que o exame seja realizado no primeiro dia após o atraso do ciclo menstrual. 

Glicemia e Hemoglobina Glicada

Ambos os exames visam monitorar o índice glicêmico (nível de açúcar) no organismo do paciente. Níveis de glicose muito altos podem indicar um quadro de pré-diabetes ou diabetes. Glicemia muito baixa, por sua vez, pode causar fadiga, tontura, fraqueza, confusão mental e até convulsões. Pacientes que já sabem que têm diabetes podem controlar seus níveis de glicose por meio de exames regulares.

Perfil Lipídico

O exame de perfil lipídico avalia, de uma vez só, os níveis de 6 analitos diferentes: Colesterol Total, Colesterol HDL, Colesterol LDL, Colesterol VLDL, Colesterol Não-HDL e Triglicerídeos. O procedimento visa ajudar a descobrir se o paciente apresenta risco de desenvolver alguma doença cardíaca. O diagnóstico precoce ajuda a prevenir problemas sérios de saúde, bem como permite ao médico elaborar um plano de tratamento e acompanhamento.

Quer saber mais sobre os serviços prestados nas farmácias? Acesse os outros conteúdos do nosso blog!

Referências

ANGONESI, D. Dispensação farmacêutica: proposta de um modelo para a prática. Disponível em: <https://scielosp.org/article/csc/2011.v16n9/3883-3891/> Acesso em: 24 de novembro de 2021.

Biblioteca Virtual em Saúde. Qual a diferença entre triagem e acolhimento? Disponível em: <https://aps.bvs.br/aps/qual-a-diferenca-entre-triagem-e-acolhimento/>. Acesso em: 24 de novembro de 2021.

Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. Manual de orientação ao farmacêutico: aspectos legais da dispensação. São Paulo: CRF-SP, 2017. 64 p.

CORRER, C.J.; OTUKI, M.F. A prática farmacêutica na farmácia comunitária. Porto Alegre: Artmed, 2013.

GALATO, Dayani et al. A dispensação de medicamentos: uma reflexão sobre o processo para prevenção, identificação e resolução de problemas relacionados à farmacoterapia. Rev. Bras. Cienc. Farm.,  São Paulo , v. 44, n. 3, p. 465-475, Sept. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-93322008000300017&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 24 de novembro de 2021.

Assine também nossa newsletter

Receba dicas sobre saúde e novidades do mercado laboratorial antes de todos.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Micheli Pecharki

Micheli Pecharki

Micheli é Bióloga e coordenadora de conteúdos na Hilab. Acredita que transformar o conhecimento técnico em algo acessível é essencial para que as pessoas saibam como cuidar mais da própria saúde e vivam, assim, com mais qualidade de vida. É apaixonada por cachorros e escrever e nas horas vagas gosta de estar em contato com a natureza.

4 comentários em “Dispensação de medicamentos: como fazer da melhor forma?”

  1. Avatar
    ANA PAULA GONÇALVES

    Adorei o texto, muito esclarecedor. Todos os profissionais de saúde deveriam ter acesso a ele.

    1. Avatar
      Marketing Hilab

      Olá, Ana Paula! Tudo bem?

      Agradecemos o seu comentário e ficamos felizes em saber que os nossos conteúdos estão ajudando as pessoas. Caso queira receber mais conteúdos como este, basta assinar a nossa newsletter e clicar na opção “Profissional da saúde”.

      Abraço,

      Equipe Hilab.

    1. Avatar
      Marketing Hilab

      Olá, Carmen! Tudo bem?

      Agradecemos o seu comentário e ficamos felizes em saber que os nossos conteúdos estão ajudando as pessoas. Caso queira receber mais conteúdos como este, basta assinar a nossa newsletter e clicar na opção “Profissional da saúde”.

      Abraço,

      Equipe Hilab.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Olá, precisa de alguma informação?

 

Eu posso te ajudar! 😃