Home > Exames > Proteína C Reativa

Exame de Proteína C Reativa: marcador de infecções e inflamações

Entenda como funciona o Teste Laboratorial Remoto que faz a determinação quantitativa de proteína C reativa, um marcador inespecífico, que aparece em inflamações e infecções diversas.

Sepse: uma síndrome de alta mortalidade e morbidade

A sepse é uma das principais causas de morte no mundo. A identificação e o tratamento precoce desta síndrome é essencial para reduzir a morbimortalidade, assim como os custos na área da saúde pública.
Um dos biomarcadores estudados como ferramenta para diagnóstico dessa condição é a Proteína C Reativa (PCR). A quantificação de PCR é frequentemente pesquisada em pacientes com suspeita de sepse.

Como funciona o exame de Proteína C Reativa (PCR) da Hilab?

O Teste Laboratorial Remoto Hilab de Proteína C Reativa (PCR) é um imunoensaio cromatográfico rápido para detecção quantitativa de proteína C reativa em amostras de sangue total, obtidas por punção digital, um método rápido e indolor.

O resultado da reação da amostra com a tira de testagem é digitalizado e enviado para o laboratório de análises clínicas Hilab, onde um especialista e nossa inteligência artificial verificam o resultado e enviam o laudo assinado via e-mail e SMS.

Uma vez que a proteína C reativa é uma proteína inespecífica produzida pelo fígado e estimulada por mediadores inflamatórios, sendo um marcador para avaliar a presença de inflamações diversas e infecções.

Quem deve realizar o
exame de Proteína C Reativa (PCR)?

O analito auxilia no diagnóstico, sendo importante para o monitoramento de atividade inflamatória durante a evolução clínica, o acompanhamento da efetividade do tratamento antibiótico ou anti-inflamatório, além da detecção de complicações infecciosas pós-operatórias.

Informações Técnicas

Analitos detectados: Proteína C Reativa (PCR)
Método: Imunocromatografia
Tipo de Amostra: Sangue total
Tempo total até a liberação do laudo: 12 minutos
Coeficiente de correlação linear (r): 0,994

Orientações para antes de fazer o exame

  • Não é necessário estar em jejum.
  • Para realizar o exame de Procalcitonina Hilab é necessário que o paciente leve um documento oficial com foto.

O que pode alterar o resultado do exame?

Pacientes obesos, fumantes, com diabetes, que fazem reposição hormonal, uso de anticoncepcional oral e mulheres na menopausa podem ter níveis de PCR elevados mesmo sem estarem com algum tipo de inflamação e/ou infecção relevante.

Como interpretar o resultado do exame de Proteína C Reativa (PCR)?

Você receberá o laudo digital assinado do exame por e-mail e SMS.

Inferior a 10 mg/L

Os valores de proteína reativa C estão dentro da normalidade em pacientes que não possuem nenhum tipo de inflamação ou infecção relevante.

Entre 10 mg/L e 40 mg/L

Estes valores de proteína reativa C podem ser indicativos de inflamação leve ou infecção viral relevante.

Superior a 40 mg/L

Estes valores de proteína reativa C podem ser indicativos de inflamação importante ou infecção bacteriana relevante.

Atenção: este exame não substitui um diagnóstico médico e o laudo deve ser avaliado.

Contrate ou faça um exame de Proteína C Reativa

Se interessou em oferecer o exame de Proteína C reativa ou quer encontrar o local mais próximo para fazer o exame? Vai de Hilab!

Perguntas frequentes sobre Proteína C Reativa

O que é a Proteína C Reativa?

A proteína C reativa (PCR), é uma proteína de fase aguda e inespecífica, produzida pelo fígado e estimulada por mediadores inflamatórios. Proteínas de fase aguda são aquelas cuja concentração sérica aumenta ou diminui pelo menos 25% durante estados inflamatórios.

Apesar de ser uma proteína de fase aguda, essa proteína pode ter suas concentrações alteradas também em processos inflamatórios crônicos, artrite reumatóide, neoplasias, doença cardiovascular aguda, lúpus com serosite ou vasculite, politrauma, pancreatite necrotizante, bem como no pós-operatório e em infecções ocultas.

O que é sepse?

A sepse é a expressão de uma complexa rede de mediadores. Em todo o mundo, a falência de múltiplos órgãos e choque séptico são as principais causas de óbito nas UTIs. Indicadores biológicos podem ser de grande utilidade no reconhecimento e tratamento da infecção e sepse. A proteína C reativa é um dos marcadores utilizados.

Quais são os sinais clínicos da sepse?

Os sinais clínicos de sepse são semelhantes aos de outras causas não infecciosas de inflamação sistêmica e incluem aquelas associadas ao foco infeccioso em questão. No sistema cardiovascular por exemplo, alguns sinais, sintomas e alterações laboratoriais da sepse são taquicardia, hipotensão, hiperlactatemia, edema, elevação de enzimas cardíacas e arritmia.

Quais são as condições que elevam os níveis de PCR no sangue?

São condições que elevam os níveis de PCR no sangue:

- Condições inflamatórias agudas ou crônicas;
- Necrose de tecido ou lesão de tecido;
- Isquemia;
- Infarto;
- Infecção,
- Inflamação;
- Síndrome metabólica;
- Tumores malignos, especialmente de mama, pulmão e trato gastrointestinal;
- Pancreatite aguda;
- Pós-cirurgia;
- Leucemia;
- Queimaduras;
- Tabagismo;
- Terapia de reposição hormonal;
- Obesidade.
Angus DC, Lind-Zwirble WT, Lidicker J, Clermont G, Carcillo J, Pinsky MR. Epidemiology of severe sepsis in the United States: Analysis of incidence, outcome, and associated costs of care. Crit Care Med 2001;29:1303-10.

Brun-Buisson C, Doyon F, Carlet J, Dellamonica P, Gouin F, Lepoutre A, et al. Incidence, risk factors, and outcome of severe sepsis and septic shock in adults. A multicenter prospective study in intensive care units. French ICU Group for Severe Sepsis. JAMA 1995;274(12):968-74.

Beale R, Reinhart K, Brunkhorst FM, Dobb G, Levy M, Martin G, et al. PROGRESS Advisory Board. Promoting Global Research Excellence in Severe Sepsis (PROGRESS): Lessons from an international sepsis registry. Infection 2009 Jun;37(3):222-32.

Dellinger RP, Levy MM, Rhodes A, Annane D, Gerlach H, Opal SM, et al. Surviving Sepsis Campaign:International guidelines for management of severe sepsis and septic shock:2012. Int Care Med 2013;39(2):165-228.

Rivers E, Nguyen B, Havstad S, et al. Early goal-directed therapy in the treatment of severe sepsis and septic shock. N Engl J Med 2001;345(19):1368-77. Rivers EP, McIntyre L, Morro DC, et al. Early and innovative interventions for severe sepsis and septic shock: Taking advantage of a window of opportunity. CMAJ. 2005;173(9):1054-65.

Vincent J-L, Sakr Y, Sprung CL, et al. Sepsis in European intensive care units:Results of the SOAP study. Crit Care Med 2006;34:344-53.

Olá, precisa de alguma informação?

Vamos conversar!