Quais são os sintomas da febre amarela?

Segundo o Ministério da Saúde, o maior período de transmissão da febre amarela é de dezembro a março. Neste ano de 2019, já foram confirmados 12 casos da doença em São Paulo – incluindo 6 casos de morte. Por isso, é importante estar atento. A febre amarela é uma doença de alta letalidade, ou seja, tem altas chances de levar à óbito.

Acompanhe o artigo a seguir e tire as suas dúvidas sobre transmissão dessa doença.

O que é a febre amarela?

É uma doença infecciosa febril aguda, transmitida por mosquitos e causada por um vírus. A febre amarela possui dois ciclos de transmissão: silvestre (transmissão rural ou de floresta) e urbano. Segundo o Ministério da Saúde, não há registro de febre amarela urbana no Brasil. Atualmente o ciclo da doença é silvestre. O último caso de febre amarela urbana foi registrado no Brasil em 1942.

Na febre amarela silvestre, os macacos são os principais hospedeiros e os vetores são os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes, sendo que o ser humano participa do ciclo somente como hospedeiro acidental, ao entrar em áreas de mata. Já no ciclo urbano, o homem é o único hospedeiro e transmissão ocorre a partir de mosquitos Aedes aegypti – o mesmo transmissor da dengue, zika e chikungunya – infectados.

Intensificar o combate ao A. aegypti nas cidades é fundamental tanto para evitar o possível retorno da forma urbana da febre amarela, quanto para combater a dengue, o zika vírus e o chikungunya.

Existe vacina?

Sim. A vacina contra a febre amarela é disponibilizada gratuitamente em postos de saúde e é recomendada para crianças a partir de nove meses e adultos até 59 anos de idade.

Se você já tomou a vacina, não há necessidade de tomá-la novamente. Desde 2017, o Ministério da Saúde seguindo a orientação da Organização Mundial da Saúde, que recomenda apenas uma dose da vacina por toda a vida.

Confira as recomendações:

  • Crianças a partir de nove meses e adultos até 59 anos podem se vacinar.
  • Para quem ainda não foi vacinado, a orientação é receber a dose única.
  • Pessoas com mais de 60 anos devem se vacinar somente se residirem em regiões de transmissão da febre amarela ou forem viajar para áreas de transmissão da doença. Deve-se avaliar o risco de efeitos adversos.
  • Em geral, a vacina não é recomendada para gestantes e mães que estão amamentando crianças menores de 6 meses. Grávidas e mulheres amamentando devem ser vacinadas de acordo com o risco de contrair a doença, ou seja, se residirem em locais próximos onde ocorreu a confirmação de circulação do vírus ou se irão viajar para áreas de risco. Mesmo assim, os riscos e benefícios devem ser discutidos, uma vez que a vacina é feita com o vírus atenuado, que pode ser transmitido ao bebê através da placenta e da amamentação.
  • O aleitamento materno deve ser suspenso por 10 dias após a vacinação. Mulheres que estão amamentando também devem procurar um serviço de saúde para orientação e acompanhamento.
  • Pessoas que têm HIV/AIDS podem se vacinar desde que não apresentem imunodeficiência grave. Poderá ser utilizado o último exame de LT-CD4 (independente da data), desde que a carga viral atual (menos de seis meses) se mantenha indetectável.

Como ocorre a transmissão? 

A transmissão da febre amarela ocorre pela picada de mosquitos.

A doença é contagiosa?

A febre amarela não é contagiosa, ou seja, não é transmitida de pessoa para pessoa.

A febre amarela é transmitida por macacos?

Não. Os macacos não são responsáveis pela transmissão da febre amarela.

Pelo contrário, eles ajudam a população, pois prestam um importante auxílio no controle da doença fornecendo às autoridades informações sobre a circulação do vírus. Desta forma, o achado de macacos mortos serve de alerta para que campanhas de vacinação sejam iniciadas.

No início do ano passado e também no início deste ano, muitos macacos foram mortos por pessoas que não conheciam o modo de transmissão da febre amarela.

A matança de macacos, além de ser cruel e tornar mais crítico o estado de conservação desses animais é prejudicial para o próprio homem pois os mosquitos passarão a buscar o sangue humano como fonte de alimento, ou seja, o homem se tornará o principal alvo do mosquito.

Quais são os sintomas?  

Os sintomas iniciais aparecem 3 a 6 dias após a pessoa ter sido infectada e incluem febre de início súbito, dores nas costas, náuseas e vômitos, fadiga, fraqueza e dores no corpo.

Grande parte das pessoas apresenta melhora após os sintomas iniciais, no entanto, cerca de 15% apresenta um período de horas sem sintomas e depois desenvolve a forma grave da doença. Por isso, é importante procurar uma unidade de saúde e ficar atento.

O que é a forma grave da febre amarela?

Os sintomas da forma grave incluem febre alta, icterícia (pele amarelada) e manifestações hemorrágicas (hematemase, melena, sangramento vestibular e da cavidade oral, entre outros).

A pessoa também pode desenvolver choque e insuficiência de múltiplos órgãos. Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 20% a 50% das pessoas que desenvolvem a forma grave podem morrer.

Os sintomas da febre amarela podem ser confundidos com os de outras doenças?

Sim. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná, os sintomas podem ser confundidos com o de outras infecções agudas febris. A forma leve pode ser confundida com doenças do sistema respiratório, digestivo e urinário.

A forma grave deve ser diferenciada de doenças como a malária, leptospirose, febre maculosa, dengue e outras arboviroses, além dos casos graves de hepatites fulminantes.

É necessário que o diagnóstico diferencial seja feito para:

  • Qualquer doença que simule quadros gripais
  • Hepatite viral
  • Malária
  • Leptospirose
  • Toxicidade a drogas
  • Dengue, Zika, Chikungunya e outras arboviroses
  • Febre maculosa

O que fazer em caso de suspeita de febre amarela?

Se você identificou alguns destes sintomas, independente de serem graves ou não, procure a unidade de saúde mais próxima.

Informe se você fez qualquer viagem para áreas de risco nos 15 dias anteriores ao início dos sintomas, se você já tomou a vacina contra a febre amarela (também é importante informar a data) e se você observou macacos mortos próximos aos locais onde você esteve (acione o centro de zoonoses do seu município).

Como é feito o diagnóstico? 

O diagnóstico da doença leva em consideração os sintomas que o paciente apresenta. No entanto, só é confirmado após a realização de exames laboratoriais complementares (MAC-Elisa, PCR ou isolamento do vírus em cultura).

Como é o tratamento?

O tratamento é sintomático. Medicamentos como AAS (Aspirina) devem ser evitados, uma vez que podem favorecer o aparecimento de hemorragias.

O paciente deve permanecer hospitalizado, em repouso, com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas quando indicado. Nas formas graves da doença, o paciente deve ser atendido na UTI.

Agora que você tirou suas dúvidas sobre a doença, não deixe de curtir a página do Hilab e aproveite também para compartilhar o conteúdo nas redes sociais.

Referências Bibliográficas:

BBC Brasil. Sem macacos, humanos viram alvo principal da febre amarela. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/brasil-42964866>. Acesso em: 26 de novembro de 2018.

Fiocruz. Agência Fiocruz de notícias. Pesquisadores explicam papel de vetores da febre amarela. Disponível em: <https://agencia.fiocruz.br/pesquisadores-explicam-papel-de-vetores-da-febre-amarela>. Acesso em: 26 de novembro de 2018.

saude.mg.gov.br. Tire suas dúvidas. Disponível em: <http://www.saude.mg.gov.br/duvidasfebreamarela>. Acesso em: 26 de novembro de 2018.

Secretaria de Estado da Saúde do Paraná. Febre amarela – perguntas e respostas. Disponível em: <http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/PerguntaseamarelasFEBREamarela.pdf>. Acesso em: 16 de setembro de 2019.

Assine também nossa newsletter

Receba dicas sobre saúde e novidades do mercado laboratorial antes de todos.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Micheli Pecharki

Micheli Pecharki

Micheli é Bióloga e coordenadora de conteúdos na Hilab. Acredita que transformar o conhecimento técnico em algo acessível é essencial para que as pessoas saibam como cuidar mais da própria saúde e vivam, assim, com mais qualidade de vida. É apaixonada por cachorros e escrever e nas horas vagas gosta de estar em contato com a natureza.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *