O que é resistência à insulina e como é diagnosticada?

A resistência à insulina, também conhecida como resistência insulínica, é um estado que antecede grande parte dos casos de diabetes. 

Quando um indivíduo está com resistência à insulina, o organismo é incapaz de produzir a quantidade de insulina – hormônio que regula a quantidade de glicose no sangue – necessária para a manutenção do seu metabolismo normal. 

A resistência à insulina também é definida como a necessidade de 200 ou mais unidades de insulina ao dia para ter-se o controle glicêmico e para evitar a cetose (uso de gorduras e proteínas na obtenção de energia quando a glicose não está disponível).

Raramente a resistência à insulina apresenta sintomas. No entanto, se não for tratada, pode aumentar o risco para vários problemas de saúde. 

Acompanhe o artigo a seguir e saiba como evitá-la e tratá-la. 

Como se desenvolve a resistência à insulina? 

As síndromes de resistência à insulina são representadas por um vasto espectro clínico, o qual inclui obesidade, intolerância à glicose, diabetes, síndrome metabólica e um estado de extrema resistência insulínica. 

Muitas destas desordens estão associadas a distúrbios metabólicos, endócrinos e genéticos, além da possibilidade de fatores imunológicos. 

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da resistência insulínica é feito de acordo com a avaliação clínica do paciente, não existindo um teste específico para a condição. 

Exames de sangue são solicitados de acordo com o perfil de cada paciente e suas comorbidades, visando auxiliar os achados clínicos.

Dentre os exames laboratoriais utilizados no apoio à investigação clínica estão:

Como é o tratamento?

O tratamento irá envolver o uso de medicamentos que auxiliem na redução da resistência insulínica, além do manejo de causas subjacentes por meio de procedimentos cirúrgicos, se necessário. 

Deve ser ressaltado que um agressivo controle dos riscos cardiovasculares e metabólicos precisa ser realizado. 

A redução do peso melhora a sensibilidade à insulina em casos de obesidade e a restrição de calorias na dieta é indicada. Por isso, é essencial praticar atividade física regularmente, além de cuidar da alimentação. 

Deve ser evitado o consumo de alimentos ricos em colesterol e sódio. Adote uma alimentação natural e evite ao máximo os alimentos ultraprocessados. 

Alimentos de alto índice glicêmico, ou seja, que fornecem glicose rapidamente, como pães de farinhas brancas, batatas e açúcar refinado devem ser trocados por opções integrais (arroz integral, pães integrais) e legumes de baixo índice glicêmico como cenoura e brócolis. 

O uso de álcool e tabaco também deve ser evitado.

Quais são as causas da resistência à insulina?

Os mecanismos responsáveis pelas síndromes de resistência à insulina resultam de características herdadas ou adquiridas. 

Nestas estão incluídos defeitos genéticos ou em células nas quais age a insulina, anticorpos contra insulina, e elevada degradação deste hormônio.

A obesidade é a mais comum causa de resistência à insulina, entretanto não são sinônimas e cada uma contribui com o aumento do risco cardiovascular.

Dentre as condições e agentes que podem causar resistência insulínica podemos citar:

  • Idade avançada;
  • Uso de medicações, como corticóides e imunossupressores;
  • Elevada ingestão de sódio;
  • Terapia antirretroviral para HIV;
  • Uso incorreto de insulina exógena;
  • Síndrome dos ovários policísticos. 

Quais são as complicações da resistência à insulina?

A resistência insulínica apresenta importante papel no desenvolvimento da síndrome metabólica, a qual pode incluir qualquer, ou até mesmo todas, as condições abaixo:

  • Aumento da produção de insulina;
  • Diabetes tipo 2 ou intolerância à glicose;
  • Obesidade;
  • Hipertensão;
  • Aumento dos colesteróis ruins (LDL-c, VLDL-c, etc.) e dos triglicerídeos;
  • Diminuição do colesterol bom (HDL-c);
  • Aumento da coagulação.

Lembre-se que, tanto para evitar, quanto para tratar a  resistência insulínica, é essencial adotar mudanças no estilo de vida. Não deixe de acompanhar a sua glicemia com frequência. Os exames de glicemia e hemoglobina glicada já podem ser realizados em muitas farmácias. 

Gostou de saber mais sobre a resistência à insulina? Aproveite para ler outros conteúdos relacionados ao diabetes no nosso Blog. 

Referências Bibliográficas

Medscape. Insulin Resistance. Disponível em:<Aqui>. Acesso em: 20 de novembro de 2019. 

Sociedade Brasileira de Diabetes. O que é diabetes? Disponível em: <Aqui>. Acesso em: 30 de dezembro de 2019. 

Revista Médica de Minas Gerais. Síndrome Metabólica. Disponível em:<Aqui>. Acesso em: 20 de novembro de 2019. 

Assine também nossa newsletter

Receba dicas sobre saúde e novidades do mercado laboratorial antes de todos.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Laboratório de Análises Clínicas Hilab

Laboratório de Análises Clínicas Hilab

Somos o laboratório pioneiro em testes laboratoriais remotos no Brasil. Criamos tecnologia diagnóstica de ponta com a missão de democratizar a saúde. Nosso time é composto por especialistas na área de saúde, tecnologia e epidemiologia, comprometidos em disponibilizar informações sobre saúde e tecnologia diagnóstica de maneira responsável e segura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Olá, precisa de alguma informação?

Vamos conversar!