Dengue, Zika e Chikungunya na gravidez: tire suas dúvidas

Hilab | 14 mar 2019


Durante a gestação, os cuidados com a saúde devem ser redobrados. A gestante, além de receber o acompanhamento pré-natal e realizar todos os exames solicitados a fim de evitar que possíveis infecções sejam transmitidas ao bebê, deve estar atenta a uma das maiores ameaças do verão: o mosquito Aedes aegypti. Esse mosquito, além de transmitir a dengue,  também transmite a febre chikungunya e o zika vírus.

Saiba como se prevenir e tire todas as suas dúvidas em relação a dengue, zika e chikungunya na gestação.

Os sintomas de dengue, zika e chikungunya são os mesmos?

A infecção por Dengue, Zika e Chikungunya apresenta sintomas semelhantes como febre, dores nas articulações, manchas vermelhas na pele e coceira. O que varia entre as infecções é a intensidade de cada um dos sintomas, além outros sinais.

Sintomas de dengue, zika e chikungunya

Embora a Dengue seja potencialmente a mais grave dentre as três e a Chikungunya traga consigo o risco de artrite crônica, a infecção por Zika, quando ocorre durante a gestação, traz o risco de microcefalia ao bebê. Por isso, se você suspeita estar com alguma dessas infecções, é muito importante procurar uma unidade de saúde para receber o diagnóstico e tratamento adequados.

O que é a síndrome de Guillain Barré?

Além desses sintomas, as infecções por Dengue, Chikungunya e Zika, transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti, podem resultar em síndromes clínicas, dentre elas a Síndrome de Guillain Barré.

Geralmente, os pacientes percebem a doença pela sensação de dormência ou queimação nas extremidades dos membros inferiores e, em seguida, nas extremidades superiores. Em pelo menos 50% dos casos, ocorre dor neuropática lombar (nervos, medula da coluna ou no cérebro) ou nas pernas. O sinal mais perceptível ao paciente é a fraqueza progressiva. A síndrome pode levar à morte quando ocorre acometimento dos músculos respiratórios e não são adotadas as medidas de suporte respiratório.

Quais são os riscos da dengue, zika e chikungunya na gravidez?

  • Dengue: segundo o Ministério da Saúde, a infecção por dengue pode levar a mãe a abortar ou ter um parto prematuro. Além disso, a gestante corre um risco maior de desenvolver a forma grave da dengue, que pode levar à morte.
  • Chikungunya: a infecção pelo chikungunya, no período gestacional, não está relacionada a efeitos teratogênicos. Existem raros relatos de abortamento espontâneo. Mulheres que adquirem chikungunya no período intraparto podem transmitir o vírus a recém-nascidos por via transplacentária, transmissão perinatal.
  • Zika: a febre por Zika vírus é descrita como uma doença febril aguda, com duração de poucos dias, geralmente sem graves complicações. Porém há registro de mortes e manifestações neurológicas, além de causar a microcefalia em bebês.

Como é o tratamento?

O tratamento de todas essas doenças é sintomático. A gestante deve repousar e se hidratar.  A automedicação não é recomendada, pois pode mascarar sintomas, dificultar o diagnóstico e agravar o quadro do paciente. Por isso, na presença de sinais ou sintomas, é importante procurar um médico.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da dengue, zika e chikungunya é clínico e feito por um médico. É confirmado por meio de exames laboratoriais de sorologia, moleculares ou testes rápidos.

Os testes laboratoriais remotos podem identificar essas infecções em poucos minutos.

Existe vacina contra a dengue?

Sim. A vacina é composta pelos quatro sorotipos vivos do vírus dengue: DEN1, DEN2, DEN3 e DEN4. Segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações, a eficácia na prevenção da doença é de 65,5%; na prevenção de dengue grave e hemorrágica é de 93% e de internação é de mais de 80%.

Grávidas podem tomar a vacina da dengue?

Segundo a Anvisa, a Dengvaxia®, vacina  que protege contra a Dengue, é feita com o vírus vivo atenuado e é contraindicada a grávidas. As grávidas não foram avaliadas nos estudos clínicos e por isso não podem tomar a vacina.

Existe vacina contra o zika vírus e a febre chikungunya?

Não. No momento existe somente vacina contra a dengue.

É proibido amamentar com dengue, zika ou chikungunya?

Segundo o Ministério da Saúde, como não há evidência científica que demonstre a transmissão do vírus Zika pelo leite materno, o aleitamento materno deve ser mantido, sendo exclusivo nos seis primeiros meses de vida e contínuo até os dois anos ou mais. Também não há contraindicação da amamentação em mães que contraem dengue ou chikungunya.

Para saber mais sobre doenças maternas infecciosas e amamentação consulte o Guia do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Quais são os cuidados que a gestante deve tomar?

A melhor forma de evitar a dengue, zika e chikungunya na gravidez é impedindo a proliferação do mosquito. Portanto é essencial:

  • Manter a caixa d’água bem fechada;
  • Não acumular lixo no quintal;
  • Não deixar água parada em pneus e vasos de plantas, por exemplo;
  • Manter o lixo sempre bem fechado;
  • Não deixar calhas entupidas;

Também é importante consultar o médico antes de viajar e informar-se sobre as condições do destino.

Caso você apresente sintomas como febre, dores de cabeça e nas articulações, náuseas e manchas na pele, procure um médico imediatamente. Para se proteger, utilize telas em janelas e portas, faça uso contínuo de roupas compridas – calças e blusas e use repelentes autorizados por seu médico.

Tomar esses cuidados é essencial para evitar a infecção por dengue, zika ou chikungunya. Não esqueça também de fazer os exames solicitados pelo médico durante seu pré-natal e adotar hábitos saudáveis. Assim, você estará contribuindo para que seu bebê nasça com saúde e livre de infecções.

Gostou de saber mais sobre dengue, zika e chikungunya na gravidez? Aproveite para curtir a página da Hilab no Instagram.

Referências Bibliográficas

Brasil.Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Vírus Zika no Brasil: a resposta do SUS [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em
Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2017. 136 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Diretoria Técnica de Gestão. Dengue : diagnóstico e manejo clínico: adulto e criança / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Diretoria Técnica de Gestão. – 4. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013. 80 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Disponível em: Chikungunya. Disponível em: <http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/chikungunya>. Acesso em: 22 de outubro de 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Guillain Barré: causas, sintomas, tratamentos e prevenção. Disponível em: <http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/guillain-barre>. Acesso em: 19 de novembro de 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção Básica Chikungunya: Manejo Clínico/ Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

Fiocruz. A microcefalia é a única malformação provocada pelo vírus zika? Disponível em: <https://portal.fiocruz.br/pergunta/microcefalia-e-unica-malformacao-provocada-pelo-virus-zika>. Acesso em: 22 de outubro de 2018.

Fiocruz. Existe relação entre a microcefalia e infecção pelo vírus zika? <https://portal.fiocruz.br/pergunta/existe-relacao-entre-microcefalia-e-infeccao-pelo-virus-zika>. Acesso em: 22 de outubro de 2018.


Hilab

Hilab

Somos especialistas em Point-of-Care Testing. Criamos dispositivos para exames PoCT, realizados com apenas algumas gotas de sangue e resultados entregues em poucos minutos. Nosso propósito é democratizar o acesso à saúde.

10 respostas para “Dengue, Zika e Chikungunya na gravidez: tire suas dúvidas”

  1. Senilde Braga Gurjão disse:

    Quanto tempo depois de ter chicungunha a mulher pode engravidar sem riscos?

    • Marketing Hilab disse:

      Olá, Senilde! Tudo bem?

      A Chikungunya, normalmente, não traz sequelas ao bebê. Não existem, atualmente, na literatura relatos que essa infecção possa acarretar sequelas à criança. O período mais crítico para a gestante e para a criança são os primeiros três meses de gestação, entretanto esse risco vale para qualquer infecção que a mãe possa vir a contrair.

      Dentre as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti a mais perigosa para a criança é a Zika, que traz consigo o risco de malformações encefálicas, como a microcefalia. Porém, com a Chikungunya, não foram registrados casos semelhantes.

      Portanto, não há necessidade de esperar para que a futura mãe engravide após o contato com o vírus. Porém, se a mãe quiser aguardar, quando o IgM for negativo e o IgG positivo, a doença não estará mais na fase aguda, e as repercussões mais graves já terão passado. Para ter essa informação do IgG e do IgM é necessário fazer um teste de Chikungunya.

      Qualquer dúvida estamos à disposição.

  2. Fiquei Muito Interessado pelo seu post.Vou acompanhar seu Blog que é muito bom. É TOP ! Esse tipo de conteúdo tem me agregado muito conhecimento.Grato !

    • Marketing Hilab disse:

      Olá, Everaldo!

      Muito obrigada pelo seu comentário!

      Continue acompanhando o nosso Blog, sempre vamos trazer novidades.

  3. Janaina lopes de amorim disse:

    Gostei muito agrega muito conhecimento

    • Hilab disse:

      Olá, Janaina! Tudo bem?

      Que bom que gostou! 🙂

      Agradecemos o seu comentário e continue acompanhando o nosso Blog.

  4. Jurandir Silva disse:

    Bom dia!
    O que significa os resultados dos exames: IGG negativo e IGM positivo para Zika?

    • Marketing Hilab disse:

      Olá, Jurandir! Tudo bem?

      O resultado indica a presença de anticorpos IgM contra o Zika vírus na amostra, que podem estar relacionados à fase aguda da infecção. Como o resultado indica contato recente com o vírus, você deve levar o resultado ao médico.

      Qualquer dúvida, estamos à disposição.

      Abraço,

      Equipe Hilab.

  5. Erica disse:

    Muito bom o conteúdo. Obrigada por compartilhar a informação!

    • Marketing Hilab disse:

      Olá, Erica! Tudo bem?

      Agradecemos o seu comentário e continue acompanhando o nosso Blog!

      Abraço, Equipe Hilab.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *