Quais infecções podem ser transmitidas da mãe para o bebê?

Chamamos de transmissão vertical a forma de transmissão que ocorre da mãe para o filho. A sífilis, o HIV e as hepatites são exemplos de infecções que podem ser transmitidas dessa forma.

A presença dessas infecções na gestação pode afetar a criança e causar várias complicações, como aborto, parto prematuro, doenças congênitas ou morte do recém-nascido. As medidas mais efetivas para a prevenção de infecções transmissíveis no recém-nascido incluem o diagnóstico precoce (por meio de exames) e o tratamento da gestante e de sua parceria sexual.

Quando e quais testes devem ser realizados pela gestante para prevenir a transmissão vertical?

  • HIV: na primeira consulta do pré-natal (idealmente, no primeiro trimestre da gestação), no início do terceiro trimestre e no momento do parto.
  • Sífilis: deve ser realizado na primeira consulta do pré-natal (idealmente, no primeiro trimestre da gestação), no início do terceiro trimestre (28ª semana) e no momento do parto ou aborto, independentemente de exames anteriores.
  • Hepatite B: na primeira consulta do pré-natal (idealmente, no primeiro trimestre). Em caso de resultado não reagente e se a gestante não tiver recebido a vacina, recomenda-se a vacinação. Caso a gestante, no momento do parto, se apresente  sem ter tomado todas as doses da vacina, as testagem também deverá ser realizada.
  • Hepatite C: de acordo com o histórico de comportamento de risco para exposição ao vírus.
  • Estreptococo do grupo B: da 35ª à 37ª semana gestacional; realizar coleta de cultura de secreção vaginal, quando disponível.

Outros testes:

Apesar de não ser transmitida verticalmente, a gestante também deve realizar o exame para diagnosticar uma infecção chamada vaginose bacteriana. O teste indicado na primeira consulta do pré-natal em mulheres com alto risco de prematuridade. Se não for tratada, a infecção pode causar partos prematuros, problemas de fertilidade e um risco maior de contrair outras infecções sexualmente transmissíveis.

Independentemente de exames anteriores, os teste para o HIV e para a sífilis também devem ser realizados no momento do parto. Caso a gestante não tenha recebido a vacina para a hepatite B, o teste para essa doença também deve ser realizado.

Por que é importante realizar esses testes?

HIV

Segundo o Ministério da Saúde, a transmissão vertical é a principal via de infecção pelo HIV na população infantil. As gestantes que recebem o diagnóstico de infecção por HIV têm indicação de tratamento com os medicamentos antirretrovirais. Se seguirem o tratamento recomendado durante o pré-natal, parto e pós-parto, mães que vivem com HIV têm 99% de chance de terem filhos sem o HIV.

Sífilis

Dentre todas as doenças que podem ser transmitidas da mãe para o filho, a sífilis é a que tem as maiores taxas de transmissão. A transmissão vertical da sífilis pode alcançar taxas entre 70% e 100% em gestantes não tratadas.

São várias as consequências da sífilis materna sem tratamento como abortamento, natimortalidade, parto prematuro, morte neonatal e recém-nascido com sinais clínicos de sífilis congênita. Frequentemente, o bebê aparentemente saudável pode desenvolver sinais clínicos posteriormente como surdez neurológica e dificuldade no aprendizado.

De acordo com um relatório da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), novos casos de sífilis congênita na América Latina e no Caribe dobraram desde 2010. Em 2015, estima-se que 22.400 crianças nasceram com sífilis. A sífilis congênita pode ser prevenida quando a gestante infectada por sífilis recebe tratamento que é simples e eficaz. Em caso de teste positivo, a gestante e seu parceiro devem ser tratados o mais rápido possível.

Hepatites

Segundo estudos, até 90% dos recém-nascidos infectados por via vertical evoluem para a hepatite crônica, podendo desenvolver complicações como cirrose e carcinoma hepatocelular, além de serem fontes de contágio para seus familiares.

Como evitar essas infecções?

Mesmo que o diagnóstico para o HIV, sífilis e hepatites sejam negativos durante o pré-natal ou parto, o uso de preservativos (masculino ou feminino) nas relações sexuais é fundamental, inclusive durante o período de amamentação.

Para saber mais sobre gravidez, parto e pós-parto consulte a caderneta da gestante.

Gostou do conteúdo? Aproveite para curtir a página do Hilab!

Referências Bibliográficas

Cartilha Sífilis Congênita. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/58sifilis_gravidez.pdf. Acesso em: 28 de junho de 2018.

Ministério da Saúde. Caderneta da Gestante. 3ª edição Brasília – DF 2016. Disponível em: http://www.mds.gov.br/webarquivos/arquivo/crianca_feliz/Treinamento_Multiplicadores_Coordenadores/Caderneta-Gest-Internet(1).pdf. Acesso em: 28 de junho de 2018.

Ministério da Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Pré-natal. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pt-br/publico-geral/prevencao-combinada/pre-natal. Acesso em: 28 de junho de 218.

Assine também nossa newsletter

Receba dicas sobre saúde e novidades do mercado laboratorial antes de todos.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Laboratório de Análises Clínicas Hilab

Laboratório de Análises Clínicas Hilab

Somos o laboratório pioneiro em testes laboratoriais remotos no Brasil. Criamos tecnologia diagnóstica de ponta com a missão de democratizar a saúde. Nosso time é composto por especialistas na área de saúde, tecnologia e epidemiologia, comprometidos em disponibilizar informações sobre saúde e tecnologia diagnóstica de maneira responsável e segura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Olá, precisa de alguma informação?

Vamos conversar!