O que dizem os estudos sobre vitamina D e COVID-19?

Essencial para o funcionamento do organismo, a vitamina D é um hormônio produzido na pele, quando entramos em contato com a luz solar.

Essa substância também pode ser encontrada em alguns alimentos. No entanto, as fontes alimentares de vitamina D são escassas. Nos seres humanos, estima-se que somente 10% a 20% da vitamina D necessária à adequada função do organismo é proveniente da dieta.

Na busca por tratamentos e medidas para conter a infecção pelo novo coronavírus, a vitamina D foi levantada como uma possível solução para a doença.

Será que esse hormônio pode combater o SARS-CoV-2 no organismo? Acompanhe o conteúdo a seguir para entender a relação entre vitamina D e coronavírus.

Qual a importância de vitamina D no organismo?

Por regular o metabolismo do cálcio, a insuficiência desse pré-hormônio ocasiona  problemas no desenvolvimento ósseo, podendo, desta forma, elevar o risco de quedas e fraturas.

Outros sintomas inconvenientes que a deficiência de vitamina D pode causar são a sensação de fraqueza, dores pelo corpo e espasmos musculares, devido a problemas no sistema nervoso.

Alguns estudos sugerem, ainda, que a insuficiência de vitamina D pode estar associada ao diabetes mellitus, infertilidade e alergias. No entanto, mais pesquisas são necessárias.

Crianças e adolescentes, mulheres na menopausa e idosos são os grupos que mais sofrem com a deficiência. Por isso, é essencial para manter os níveis de vitamina D a segura exposição solar e uma alimentação nutritiva.

Vitamina D e imunidade 

Nos últimos anos, a interação da vitamina D com o sistema imunológico vem sendo alvo de um número crescente de pesquisas.

Na dose certa, a vitamina D ajuda a manter a saúde do sistema imunológico. Isso acontece porque o receptor da vitamina D é expresso e sintetizado nas células de defesa (células B, células T e células apresentadoras de antígenos), interferindo beneficamente no meio imunológico.

Porém, a superdosagem da vitamina D pode ser maléfica para a saúde. Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia de São Paulo, o excesso de cálcio pode provocar cálculos nos rins e a perda da função renal.

A hipervitaminose D também causa perda óssea, pois pode induzir ao aumento da atividade osteoclástica.

O tratamento precoce da COVID com Vitamina D funciona?

 

A Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) rejeita o tratamento precoce para COVID-19 com qualquer medicação ou suplemento porque ainda não há estudos que comprovem a eficácia de tratamentos preventivos. Essa prática é fruto de desinformação e por isso não deve ser adotada.

Associada ou não a outros medicamentos, como zinco, ivermectina ou cloroquina, a vitamina D não impede a contaminação da COVID-19 e como vimos, a sua má administração pode causar efeitos colaterais.

Além de não haver comprovação científica, o tratamento precoce da COVID não segue a lógica de uma doença infecciosa. Ou seja, é diferente da diabetes tipo 2 ou hipertensão, doenças que realmente podem ser prevenidas com medicamentos, além de mudanças no estilo de vida.

A única forma eficaz de produzir mecanismos de defesa que previnem os ataques do coronavírus é por meio da vacinação.   

Como a vitamina D age contra o coronavírus?

A vitamina D possui efeitos anti-inflamatórios e há pesquisas que sugerem que ela possa diminuir a resposta imune do corpo a qualquer tipo vírus. Embora sejam necessárias mais pesquisas para atestar isso, alguns pesquisadores estão associando que esse possível efeito anti-inflamatório pode auxiliar em casos de danos pulmonares graves por COVID-19. Isso porque, quando a situação está muito crítica, ocorre uma tempestade de citocinas, ou seja, uma resposta imunológica excessiva que pode causar o óbito.

Cientistas italianos Giancarlo Isaia e Enzo Medico da Universidade de Turim, sugerem em um breve estudo que a falta de vitamina D nos pacientes infectados pode favorecer a mortalidade por coronavírus, no entanto, ainda não há claras evidências de que a vitamina D reduz o risco de adoecer com COVID-19.

Outro estudo realizado pela Universidade de Northwestern também observou que pacientes com crítica deficiência de vitamina D têm duas vezes mais chances de sofrer complicações ao serem infectadas pelo novo coronavírus.

Esses especialistas sugerem que a deficiência de vitamina D pode estar associada a complicações de saúde se alguém for infectado com COVID-19. Mas é importante analisar que outros fatores de risco, como doenças cardíacas, também são comuns nesses pacientes, tornando difícil tirar conclusões.

Então, qual é o papel da vitamina D sobre o coronavírus?

É certo que a vitamina D desempenha um papel vital no bom funcionamento do corpo, no entanto muitas informações são distorcidas e geram grande alarde.

Sem considerar detalhes importantes sobre os estudos científicos, muitas pessoas exageram nas notícias e repassam um entendimento errado sobre a vitamina D na prevenção e tratamento do coronavírus.

Em nota, o Ministério da Saúde alerta sobre os boatos da suposta ação preventiva à COVID-19 causada pela suplementação de vitamina D, sendo categórico em apresentar essa informação como uma notícia falsa.

Sobre o estudo da Universidade de Torino citado anteriormente, a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia considera que a pesquisa não relaciona a deficiência de vitamina D com o novo coronavírus, mas apenas faz uma associação. Para a organização, o baixo nível de vitamina D é muito frequente na população em geral, e ainda mais comum em idosos e pessoas com doenças crônicas.

A Fundação FioCruz Rio, relata que não há evidência científica de que a vitamina D proteja contra a COVID-19, embora a vitamina D ofereça alguma melhoria da imunidade, não está comprovadamente associada a uma redução de risco de infecção por coronavírus.

A Fundação ainda declara que o estudo da Universidade de Turim, os pesquisadores deixam claro que o objetivo do estudo é levar essa reflexão à comunidade científica, sem atestar o que foi estudado.

A pesquisa também foi baseada em literatura já existente e norteada pela informação de que a vitamina D pode ter um efeito preventivo, protetor e terapêutico em outras infecções do trato respiratório, incluindo infecções virais em geral.

Infelizmente, os estudos realizados não são suficientes para comprovar a eficácia da vitamina D no combate ao coronavírus. Assim, ainda não há indicação para suplementação do nutriente na prevenção ou no tratamento de COVID-19.

Referências Bibliográficas

Universidade de Torino. A carência de vitamina D: um fator de risco para infecção de coronavírus? Disponível em: <https://www.unito.it/comunicati_stampa/la-carenza-di-vitamina-d-un-fattore-di-rischio-linfezione-da-coronavirus> Acesso em: 18/05/2020.

Universidade de Northwestern. Níveis de vitamina D parecem interferir na mortalidade por COVID-19. Disponível em: <https://www.mccormick.northwestern.edu/news/articles/2020/05/vitamin-d-levels-appear-to-play-role-in-covid-19-mortality-rates.html> Acesso em: 18/05/2020.

Ministério da Saúde. Vitamina D e o novo coronavírus. Disponível em: <https://www.saude.gov.br/fakenews/46254-vitamina-d-e-o-novo-coronavirus-e-fake-news> Acesso em: 18/05/2020.

Fundação FioCruz Rio. Vitamina D protege contra o novo coronavírus? Disponível em: <https://portal.fiocruz.br/pergunta/vitamina-d-protege-contra-o-novo-coronavirus> Acesso em: 19/05/2020.

UFRGS. Você sabe o que é tempestade de citocina? Disponível em: <https://www.ufrgs.br/microbiologando/2020/04/22/voce-sabe-o-que-e-tempestade-de-citocina/> Acesso em: 19/05/2020.

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Superdosagem de vitamina D traz sérios riscos para a saúde. Disponível em: <https://www.sbemsp.org.br/imprensa/releases/293-superdosagem-de-vitamina-d-traz-serios-riscos-para-a-saude> Acesso em: 20/05/2020.

Assine também nossa newsletter

Receba dicas sobre saúde e novidades do mercado laboratorial antes de todos.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Laboratório de Análises Clínicas Hilab

Laboratório de Análises Clínicas Hilab

Somos o laboratório pioneiro em testes laboratoriais remotos no Brasil. Criamos tecnologia diagnóstica de ponta com a missão de democratizar a saúde. Nosso time é composto por especialistas na área de saúde, tecnologia e epidemiologia, comprometidos em disponibilizar informações sobre saúde e tecnologia diagnóstica de maneira responsável e segura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *