Home > Exames > Hipotireoidismo (TSH)

Avalie o hormônio estimulante da tireoide com o exame de TSH

Conheça o exame laboratorial rápido que é ideal para avaliação de hipotireoidismo primário por meio da concentração do hormônio estimulante da tireoide (TSH). Laudo assinado em 20 minutos.

O impacto do hipotireoidismo na saúde

O hipotireoidismo, uma das doenças endócrinas mais comuns, é causado pela produção insuficiente dos hormônios T3 e T4 pela glândula tireoide e que resultam em um aumento do hormônio estimulante da tireoide produzido na glândula hipófise.

Essa desregulação pode impactar gravemente o funcionamento do corpo todo, incluindo coração, cérebro, fígado e rins, e por isso pede acompanhamento médico e tratamento diário.

Como funciona o exame da Hilab?

O Teste laboratorial remoto Hilab de TSH é um ensaio imunocromatográfico para determinação semi-quantitativa do hormônio estimulante da tireoide em amostras de sangue total obtidas por punção digital, um método rápido e indolor.

A reação da amostra com os anticorpos anti-TSH impregnados na tira reagente produz coloração, e a intensidade da cor é proporcional aos níveis de TSH no sangue.

A reação é digitalizada e enviada para o laboratório de análises clínicas Hilab, onde um especialista e nossa inteligência artificial verificam o resultado e enviam o laudo assinado via e-mail e SMS.

Quem deve realizar o exame de TSH?

- Pessoas com suspeita de hipotireoidismo (presença de bócio, desânimo, desaceleração dos batimentos cardíacos, intestino preso, sonolência excessiva, dores musculares, colesterol alto, queda de cabelo, pele seca, entre outros);
- Mulheres acima de 35 anos;
- Pessoas com diabetes mellitus;
- História familiar de doença a tireoide;
- Excesso na produção do hormônio prolactina;
- Pessoas com níveis de colesterol alterados.

Quem não deve realizar esse exame?

Gestantes, menores de 12 anos, pessoas com hipotireoidismo secundário e pessoas que querem monitorar o tratamento do hipotireoidismo.

Informações Técnicas

Analito mensurado: Hormônio Estimulante da Tireoide (TSH)
Método: Imunocromatografia
Tipo de Amostra: Sangue total
Tempo total do exame: 20 minutos.
Faixa de detecção: 4,5 μUI/mL até 10 μUI/mL
Especificidade: >94,4%
Sensibilidade: >96,4%

Orientações para antes de fazer o exame

- Para realizar o exame é necessário levar um documento oficial com foto
- Não é necessário jejum
- Alguns medicamentos como lítio, amiodarona e interferon alfa alteram a função da tireóide. O responsável pelo exame deve ser informado caso haja uso de algum desses medicamentos antes de realizá-lo

Como interpretar o resultado do exame de TSH?

Você receberá o laudo digital assinado do exame por e-mail e SMS, informando a concentração de TSH

<4,5 μUI/mL:

Indica que a quantidade de TSH na amostra de sangue está dentro da normalidade e há baixa probabilidade de hipotireoidismo primário. Um médico deve avaliar o resultado e pedir exames complementares se a suspeita persistir.

4,5 a 10 μUI/mL:

Indica que a quantidade de TSH está alterada e há chance de hipotireoidismo primário. Este é um exame de triagem, por isso um médico deve avaliar o resultado para exames complementares.

>10 μUI/mL:

Indica que a quantidade de TSH está alterada e indica provável hipotireoidismo primário. Este é um exame de triagem, por isso um médico deve avaliar o resultado para exames complementares.

Atenção: este exame não substitui um diagnóstico médico e o laudo deve ser levado para avaliação.

Contrate ou faça o exame de TSH

Se interessou em oferecer o exame de TSH ou quer encontrar o local mais próximo para fazer o exame? Vai de Hilab!

Perguntas frequentes sobre TSH e disfunções da tireoide

O que é o TSH?

O hormônio estimulador da tireoide (TSH) é produzido pela glândula hipófise anterior localizada no cérebro, que ativa as células produtoras de tiroxina (T4) da tireoide. A tireoide é uma glândula que se localiza no pescoço envolvendo a porção frontal da traquéia. Ela regula a função de órgãos importantes como o coração, o cérebro, o fígado e os rins.

A tiroxina é produzida e estocada em estruturas arredondadas denominadas folículos. Esses folículos produzem tanto a tiroxina, denominada T4, quanto uma versão da tiroxina chamada T3.

A tiroxina é muito importante para o metabolismo celular e eleva a taxa metabólica da maior parte das células e tecidos. Esse hormônio é crucial durante o desenvolvimento e crescimento.

Quando há disfunção da glândula tireoide, essa glândula cresce, causando uma saliência na frente e no lado do pescoço. O bócio ocorre tanto pelo excesso de tiroxina (hipertireoidismo) quanto pela deficiência de tiroxina (hipotireoidismo). O bócio presente em situações de hipotireoidismo ocorre quando não existe tiroxina circulante suficiente para inibir a produção de TSH. No caso do hipertireoidismo, o bócio resulta de uma falha na inibição das células foliculares mesmo quando os níveis de tiroxina no sangue estão altos.

O que é hipotireoidismo?

O hipotireoidismo é uma doença causada pela produção insuficiente dos hormônios T3 e T4 pela glândula tireoide e consequente aumento da produção do hormônio estimulante da tireoide pela glândula hipófise. É a disfunção mais comum da tireoide e afeta principalmente mulheres, mas qualquer pessoa pode ser afetada.

Se não tratado diariamente com a ingestão levotiroxina, pode levar a complicações físicas e mentais e problemas cardíacos por conta do aumento de colesterol decorrente.

Quais são as causas do hipotireoidismo?

Na maioria das vezes, em adultos, o hipotireoidismo é causado por uma inflamação chamada Tireoidite de Hashimoto ou pela falta ou excesso de iodo na dieta.

Algumas crianças podem nascer com hipotireoidismo congênito porque não possuem tireóide ou porque ela não funciona bem. O Teste do Pezinho, realizado em recém-nascidos gratuitamente pelo SUS, é capaz de diagnosticá-lo.

Quais são os sintomas do hipotireoidismo?

  • Depressão;
  • Desânimo;
  • Desaceleração dos batimentos cardíacos;
  • Intestino preso;
  • Menstruação irregular;
  • Falhas de memória;
  • Cansaço excessivo;
  • Dores musculares;
  • Pele seca;
  • Queda de cabelo;
  • Ganho de peso;
  • Aumento de colesterol no sangue;
  • Presença do bócio.

O que é hipertireoidismo?

Menos comum que o hipotireoidismo, o hipertireoidismo se caracteriza pela produção excessiva dos hormônios T3 e T4, e consequente redução da produção de TSH.

A causa mais comum é a doença de Graves, na qual o sistema imune desenvolve anticorpos que atacam a própria glândula tireóide. Além disso, a ingestão excessiva de iodo, nódulos na glândula, um funcionamento acelerado da tireóide e a ingestão de levotiroxina influenciam o surgimento da disfunção.

Por que realizar o teste regularmente é tão importante?

A sífilis é uma infecção que, quando não tratada, pode trazer sequelas irreversíveis. O tratamento, que é simples e eficaz, é oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde.

Como é feito o tratamento?

O medicamento utilizado para tratar a infecção é a penicilina benzatina, que é disponibilizada gratuitamente nas unidades básicas de saúde.

INSTITUTO MINDS4HEALTH. Hipotireoidismo em foco. São Paulo, 2019. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hipertireoidismo. Biblioteca Virtual em Saúde. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/2196-hipertireoidismo. Acesso em: 27 de maio de 2021.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Hipotireoidismo. Biblioteca Virtual em Saúde. Disponível em:http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/2197-hipotireoidismo. Acesso em: 27 de maio de 2021.

SADAVA, D.; HELLER, H. G.; ORIANS, G. H.; PURVES, W. K.; PURVES, W. K.; HILLIS, D. M. Vida – A Ciência da Biologia. Volume III: Plantas e Animais. 8ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENDOCRINOLOGIA. Hipertireoidismo e Hipotireoidismo. Disponível em:https://www.endocrino.org.br/hipertireoidismo-e-hipotireoidismo/. Acesso em: 27 de maio de 2021.

Olá, precisa de alguma informação?

Vamos conversar!